Lew Company

A PANDEMIA INVISÍVEL

22/02/2021

“Violência contra as mulheres e meninas é uma pandemia invisível

No início da pandemia no Brasil a ONU Mulheres já nos alertava a respeito da pandemia invisível, sobre a qual poucos falam e menos ainda agem.

“Violência contra as mulheres e meninas é uma pandemia invisível,

afirma a diretora executiva da ONU Mulheres”

Essa afirmativa veio a público, em alto e bom tom, em abril passado, quando Phumzile Mlambo-Ngcuka, diretora executiva da ONU Mulheres e vice-secretária geral das Nações Unidas, nos alertava para o fato de que em meio à pandemia da Covid-19, a pandemia da violência contra as mulheres e meninas age na invisibilidade e nos silêncios.

Qual será o intuito de seu grito de alerta? Com certeza trazer à luz uma situação muito crítica e pouco percebida que é o fato de o lugar de segurança durante a pandemia do vírus, a casa, ser, para muitas mulheres e crianças, o mais torturante para sua saúde física e emocional.

O relato da ONU nos mostra, em um giro ao redor do mundo, que ao mesmo tempo em que mais países relatavam infecções e bloqueios, mais linhas de ajuda e abrigos para violência doméstica em todo o mundo pediam crescentes ações de ajuda.

Sabemos que o confinamento gera uma forte tensão e pressão pelas preocupações com segurança, saúde e dinheiro, necessidades básicas dos seres humanos. Ao mesmo tempo que aumenta o isolamento das mulheres com parceiros violentos, separando-as das pessoas e dos recursos que poderiam melhor ajudá-las.

Se não tratada, essa pandemia invisível também aumentará o impacto econômico da Covid-19.

Assim sendo, o nosso ponto de reflexão é com relação ao nível de preparo das empresas para lidar com essas questões, frente aos seus colaboradores. Sabemos que essa situação afeta diretamente o desempenho e a saúde mental, tanto da mulher agredida, quanto do homem que, quando denunciado pode até ser preso. A ausência, tanto de um quanto de outro, bem como, o desequilíbrio emocional causado por tais situações, levam essas pessoas a não conseguir performar como poderiam e deveriam. E, então, nós gostaríamos de saber:

Fica aqui um alerta ao fato de que o aumento da violência contra as mulheres deve ser tratado com urgência e com medidas incorporadas à cultura organizacional, visando atender à gravidade e nível do desafio, principalmente e, em especial, das mulheres que enfrentam múltiplas formas de discriminação.

A Covid-19 está nos testando de maneiras que a maioria de nós nunca experimentou anteriormente. >> Devemos não apenas sobreviver a esse grande desafio, mas emergir renovadas, com as mulheres como uma força poderosa no centro da recuperação, nos diz tão sabiamente Phumzile Mlambo-Ngcuka, em seu grito de alerta.

Nós da LEW Company oferecemos os nossos recursos e apoio à todas as pessoas e organizações que desejem desenvolver-se e conscientizar-se das novas posturas e valores para juntos construirmos uma civilização mais equitativa.

Somos uma consultoria especializada em diversidade e inclusão, equidade de gênero, raça, pessoas com deficiência e LBGT+, com soluções para empresa e para você. Venha buscar nossa ajuda. Estamos prontos para suporta-los em todos os aspectos que necessitam para crescer e se fortalecer.

Conheça mais acessando www.lewcompany.com.br        

Por Luceli Mota e Adriana Camargo

Baseado no artigo da ONU Mulheres: http://www.onumulheres.org.br/noticias/violencia-contra-as-mulheres-e-meninas-e-pandemia-invisivel-afirma-diretora-executiva-da-onu-mulheres/